skip to Main Content
Trilhas De Aprendizagem

Você realmente sabe como aplicar realidade virtual ou aumentada nas trilhas de aprendizagem?

Saiba porque o uso de realidade virtual ou aumentada pode ser feito incorretamente, dificultando as trilhas de aprendizagem, e como evitar que isso aconteça.

 

Usar realidade virtual ou aumentada nas trilhas de aprendizagem pelas quais os colaboradores passam, durante o processo de capacitação, é importante para tornar a experiência em T&D mais imersiva e realista. Já apontamos, inclusive, a importância delas em outro post, indicando-os como tendências de treinamento para 2018. No entanto, será que eles são usados corretamente na educação corporativa?

No artigo de hoje, abordaremos os cuidados na aplicação de realidade virtual ou aumentada e como elas são efetivas no desenvolvimento de habilidades, desde que tudo seja pensado para priorizar a objetividade do curso, não para deixá-lo apenas mais “atrativo”.

 

O que são, exatamente, as trilhas de aprendizagem?

Antes de falar sobre o assunto em si, um breve resumo sobre as trilhas de aprendizagem: elas são estruturas criadas para proporcionar uma experiência de T&D completa, com estudos sobre diferentes atividades, perfis e competências dentro da mesma empresa, área ou departamento.

Por meio das trilhas, a aprendizagem é vista como um processo que deve ser contínuo, focado nas pessoas, em suas necessidades de desenvolvimento e, principalmente, na aplicação prática do conhecimento adquirido.

 

Erros no uso de realidade virtual ou aumentada nas trilhas de aprendizagem

Contextualizado o papel das trilhas de aprendizagem, é possível compreender que elas são pensadas para conceber um “caminho” mais fácil, viável e individualizado para que cada colaborador aprenda de forma mais rápida e eficiente. Cada técnica ou método que são empreendidos durante o andamento de um curso têm a sua importância para manter essa dinâmica. Não é diferente quando se trata de recursos imersivos, como realidade virtual ou aumentada.

 

 

Empregar esses recursos sem ter isso em mente encobre a real utilidade deles, tornando-os mera “pirotecnia” e entretenimento onde o propósito deveria ser objetivo. Recursos tecnológicos avançados são eficientes, de fato, quando há um propósito real em sua utilização, com evidentes mudanças positivas após sua implementação. Usar artifícios tecnológicos avançados sem finalidades definidas os tornam obstáculos nas trilhas de aprendizagem, aumentando os esforços não efetivos e investimentos.

 

Como integrar realidade virtual ou aumentada corretamente nas trilhas de aprendizagem?

Cada uma das realidades imersivas pode ser aplicada em diversos momentos nas trilhas de aprendizagem, seja de maneira complementar ou independente. A realidade aumentada, por exemplo, com suas características de adicionar elementos e informações virtuais ao mundo real, permite que o treinamento seja aplicado digitalmente em um contexto presencial, prático e totalmente voltado a uma dinâmica de aprendizado legítimo.

Pensando dessa forma, a realidade aumentada se torna um meio para chegar ao objetivo final, que é o aprendizado, deixando de cair no erro de ser a finalidade em si, apresentada como mera “atração pirotécnica digital”.

As possibilidades de uso da realidade aumentada são muitas, partindo desde interações com apostilas ou livros digitais até a construção de algo enquanto assiste a um tutorial em vídeo, só para citar alguns exemplos.

A realidade virtual também pode ser muito bem aproveitada, mas de uma maneira diferente. Enquanto a realidade aumentada torna possível interagir com elementos virtuais, a realidade virtual possui uma imersão mais avançada, simulando ambientes reais de maneira virtual. Com isso, é possível facilitar o treinamento relacionado a situações que demandam o uso de equipamentos caros ou muito frágeis, simular eventualidades de expediente e condições específicas de maneira controlada, entre outros exemplos, com uma abordagem interativa, engajadora e de aprendizado prático.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back To Top